Lua

Lua
Moon!

Música para acompanhar a leitura

Loading...

Visitantes do mundo da Lua!!!!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sobre a Lua


A Lua sempre me encantou... mas não por algo em especial e sim por puro fascínio. Na verdade, não saberia explicar exatamente o porquê... talvez simplesmente a entenda como se fosse um espelho da própria singularidade humana. A Lua é inteira, é metade, se oculta e transparece no seu próprio tempo, mas também reflete, provoca, inspira, desvanece.

Seu movimento preenche expectativas, controla colheitas, determina processos e desperta poesias... sem justificar ou se explicar, apenas concentrando a vida em suas fases e não se importando com as distâncias e as temporalidades.

Desde que seu brilho não seja ofuscado pelo vácuo insondável da simplória existência, ela se manifesta a quem puder senti-la e apreciá-la. Também partilha momentos de intimidade e introspecção, assim como aqueles de euforia e perdição.

Já presenciou dores e alegrias, discursos vãos e profundas falas de rua. Das sombras à plenitude, cumpriu seu destino de manter equilíbrio e instigar desafios, fluindo pelas transformações crescentes e cheias de significado. Mas também minguou e se renovou na aposta dos violeiros.

Na dança das marés, homens se debruçam em silêncio respeitoso à sua vontade, como se dela dependesse o destino dos mortais, na roda da fortuna governada por sua soberania e através de seu poder. Esta é a Lua que domina, que se impõem e não perdoa.

Mas a Lua, como a vida, sabe ser bela, onipresente, misteriosa... e permanece lá, da forma como a intuímos, envolta na névoa confusa da imaginação e da realidade fatídica que se manifesta. Suas rotações permitem eclipses e o depósito de nossas (in)completudes e nossos devires.

É a Lua... à disposição para olhares apaixonados, apreensivos, enigmáticos. E para os pulsares invisíveis da sintonia humana.

Luana Tavares

6 comentários:

  1. Muito profundo, comovente e verdadeiro!!!!
    Demais!!! adorei!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá Luana!!
    Seu texto reforça em mim a ideia da força que uma narrativa mítica possui, não só para dar sentido a essa nossa vida como também traze-lhe um pouco de cor neste cenáriodo dia-a-dia tão esmaecido em que vivemos. Parabéns pelo espaço, me farei presente sempre que possível. Aproveito, então, para tabém convidá-la a me viditar . Abraços!!!

    ResponderExcluir
  3. Adorei, Luana.
    Estou conhecendo um lado seu que para mim é novo.
    Parabéns!!! Muito bonito. Sempre que possível visitarei.
    Beijos !!!!

    ResponderExcluir
  4. Eu tinha feito um texto, mas não consegui postar aqui. Dizia algo assim: a Lua nos lembra que somos cíclicos e que devemos nos respeitar em nossas fases. A Selene guarda várias faces, mas não deixa de ser encantadora. Dá equilíbrio ao movimento da Terra, nos protege de impactos e rege o movimento hídrico. No final, somos 70% de água, nos rege mais que pensamos. Quando a Lua estava mais perto da Terra, as marés eram verdadeiras paredes de água que avançavam pelos continentes. Hoje, Selene mais distante, encontra-se lentamente se afastando de nós, mas ainda define os fluxos fluídicos, incluindo os ditos humores, mais do que percebemos. Lindo texto. Inacio

    ResponderExcluir
  5. Amiga, aqui estou! Vou acompanhar de perto seu sucesso, que, tenho certeza, é o seu blog.

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo texto. sempre admirei a lua. Ela também exerce esse fascínio sobre mim... vai se saber porque, né??

    ResponderExcluir