Lua

Lua
Moon!

Música para acompanhar a leitura

Loading...

Visitantes do mundo da Lua!!!!

terça-feira, 13 de março de 2012

De que tamanho somos?


De olhos vendados mergulhamos
Sem noção de porvires
Sem absolutamente nada a respaldar o horizonte
Nada que se defina.... nada  que transpareça...
Só a linha que se desdobra incansavelmente
A nos esperar e a resguardar o infinito
Que se retrai indeciso
Rumo ao vazio distante e desafiador da imensidão à frente

 (Luana Tavares)

 Ainda que vislumbrássemos o infinito, interna e externamente... qual seria o sentido de tudo? Onde poderíamos estar ou até onde chegaríamos? Quais seriam as probabilidades de reconhecermos o que realmente somos? E qual a dimensão racional que nos conduziria de volta?
 
A probabilidade de haver respostas é mínima... não haveria como dar conta da dança que continuamente nos embala, no sono da imprevisibilidade, e que nos conduz ao eterno, não importando a forma como este seja concebido.

Será que entenderíamos a dimensão do improvável? Ou será que alcançá-la não pertence à realidade, mas somente aos sonhos? Talvez apenas não sejamos solitários o suficiente para deixar que a correnteza nos leve, ou fortes o bastante para soltarmos as raízes que nos alimentam.

Quanto ao eterno, este pode ser o etéreo distante para o qual alguns se curvam ou simplesmente a porta contígua que se abre a um simples e suave toque... depende da intencionalidade ou da conexão com o outro lado que também faz parte do que somos. Depende de nossos desejos... de como realmente nos sentimos... do que transparecemos ao olhar divino que nos observa. E para acessar a eternidade precisa-se apenas da permissão reversa da que a realidade concede... não é preciso tempo, mas sensibilidade.

 Ao vislumbrar o infinito não entenderíamos, talvez, os extremos a que estamos submetidos tanto na imensidão dos vazios que nos envolvem quanto nas conexões a que estamos sujeitos. O todo, que apenas imaginamos, pode estar em tantos lugares: tão perto que não conseguimos enxergar ou tão longe que não conseguimos alcançar... ou ainda em nenhum outro.

Mas, afinal, de que tamanho somos? Qual a ideia que fazemos sobre nós mesmos e o que é possível apreender desse todo inimaginável? A imagem da física que nos compõem é tão assustadoramente tênue e sem nexo, que talvez pudéssemos nos perder nos vácuos que permeiam nossa essência peculiar e nos perguntarmos qual o sentido da existência; qual, afinal, o teor de tudo o que fazemos, pensamos, criamos, cuidamos... qual o teor do nosso ser que se manifesta em movimentos sutis, abruptos e surpreendentes?

E será que importa saber?

Alguns ficariam cegos ou loucos se pudessem encontrar-se; outros passariam despercebidos de si mesmos, como se sombras circulassem ao seu redor e esvaziassem sua verdadeira essência. Em meio à música das esferas que bailam à nossa volta, contribuímos para o espetáculo, tecendo a teia que conecta e jogando a rede que captura, mesmo que desnudando crises e revelando abismos.



O que nos resgata é que há poesia até mesmo quando dissecamos singularidades e extraímos flores de sistemas improváveis, perpetuando a beleza da simbiose existencial que, generosamente, nos provê o sentido de permanência, de mudança, de transitoriedade, de coerências múltiplas, ainda que dissonantes... e que também nos possibilitam renovação e permanência, atentas à infinitude e ao profundo sentido do que realmente somos ou seremos... ou do que nunca será.

 Luana Tavares


“Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito” (William Blake)

6 comentários:

  1. Incrível o mergulho no todo que você faz. Identificar a singularidade em meio ao universo do qual fazemos parte e nos encontramos como mentes abismadas diante do que não abarcamos. Sabermos que num segundo de toda eternidade nos levantamos e questionamos tudo o que é. Ao mesmo tempo nos deparamos com a limitação de um olhar lançado e nada mais. Buscamos sentido quando a resposta não chega a tempo de nosso último suspiro. E assim vivemos... assim nos alçamos em busca... do que? A busca é o movimento, e o eterno o ponto de referência...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Miguel, sempre a incansável busca... ainda que muitas vezes em meio a ocultamentos. O todo está, enfim, em todos nós e existe um oceano de possibilidades a nos esperar...
      Adorei vê-lo aqui!
      Abração,
      Lua

      Excluir
  2. Oi, amiga!

    Maravilhoso, o texto! Prometi, e cumpri, viu?

    Beijo grande. Que Deus a abençoe!

    Mirella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mirella querida!
      Adoro vê-la por aqui porque aprecio a sua sensibilidade!
      Que você também seja sempre abençoada!
      Beijos com carinho,
      Lua

      Excluir
  3. O encontro com a nossa verdadeira essência, talvez seja a mais longa viagem desta jornada existencial. Não sei quem sou, somente sei que me redescubro a cada dia. Obrigado pela partilha reflexiva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São muitas viagens... todas incrivelmente distintas... todas incrivelmente belas! Mas o encontro especial que realizamos com a nossa essência pode representar o ápice da jornada! E é uma história sem fim...
      Agradeço sua presença aqui, Flávio!
      Abraços da Lua

      Excluir